Exercício Físico na velhice

Todos nós sabemos que o envelhecimento é um processo inevitável. Este implica uma regressão das capacidades físicas, psicológicas, fisiológicas e sociais do ser humano e, actualmente, é um dos fenómenos que mais se evidencia na sociedade actual.

Entre as alterações gerais associadas ao envelhecimento, as que mais se destacam são a diminuição da frequência cardíaca máxima; o aumento da pressão arterial em repouso e em esforço; um aumento no tempo de reacção; uma diminuição da força; uma diminuição da massa óssea; uma diminuição da flexibilidade; um aumento da % de massa gorda e um aumento do tempo de recuperação. Se você se revê em alguma coisa acima descrita, então está na altura de começar a combater essas alterações gerais começando por se tornar mais activo.

Apresento abaixo alguns dados estatísticos, referentes à evolução da população idosa em Portugal, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE, 1999):

  • O número de pessoas idosas residente em Portugal duplicou nos últimos 40 anos;
  • A baixa participação activa dos idosos nas áreas do Lazer e Exercício Físico poderá ser um factor revelador da diminuição da qualidade de vida do idoso;
  • 47,1% da população idosa despende um nível de esforço muito baixo de actividade física (estar sentado ou andar pouco);
  • 47,4% apresenta um nível mais avançado de actividade física (estar em pé ou andar bastante);
  • Apenas 3,3% dos homens e 1,7% das mulheres idosas admitiram fazer exercício físico regular.

Não de forma generalizada, mas na sua grande maioria, o idoso tende a adoptar um estilo de vida sedentário com base em crenças sociais e culturais em que afirmam que o exercício físico é inadequado para a sua faixa etária juntando a falta de auto-estima que os faz pensar que são incapazes de praticar seja o que for ou até mesmo de terem uma vida mais activa. Não podemos também esquecer que esta geração, antigamente, enquanto jovens e adultos activos não foi educada para a prática de exercício físico.

A verdade é que nos dias que correm, a população encontra-se altamente modernizada e juntando a evolução da tecnologia, os comportamentos no dia-a-dia levam a que funcionemos à lei do menor esforço físico.

Assim sendo, é preciso começar a mudar as mentalidades e a prepará-las para as inúmeras vantagens da mudança de hábitos e estilos de vida. É extremamente importante ser activo, pois só assim você irá retardar as perdas associadas ao envelhecimento.

Como se sabe, para haver um bom desempenho nas tarefas diárias é necessário um bom funcionamento dos músculos, dos ossos e das articulações. A melhor forma de garantir esse bom funcionamento é, além de uma dieta equilibrada, através de um programa de exercício físico regular, que nós, IFL teremos todo o gosto em o receber e orientar de modo a evitar práticas incorrectas ou inadequadas que comprometam seriamente a sua saúde.

A capacidade funcional de uma pessoa idosa avalia-se pelo seu equilíbrio, a força, a coordenação, a agilidade e a flexibilidade, capacidades físicas determinantes para a realização das actividades do dia-a-dia de forma independente e segura, como por exemplo: tratar da casa, subir escadas, carregar objectos, levantar/sentar de uma cadeira, entrar/sair de um veículo, andar a pé para ir às compras, tratar de assuntos diários ou simplesmente para passear. Segundo Carvalho & Mota 2012, a pessoa idosa necessita de valores mínimos que lhe permitam realizar as tarefas diárias com o mínimo de fadiga, de modo a reservar energia para outras actividades de lazer.

 

Evidências científicas relativas aos benefícios da actividade física na velhice

  • Ajuda a controlar a pressão arterial, o peso corporal, os níveis de colesterol e evita o enrijecer das artérias;
  • A taxa de morte para todas as causas é inferior nas pessoas fisicamente activas e treinadas;
  • A actividade física é altamente benéfica no tratamento de pessoas com doenças em incapacidades crónicas;
  • Pessoas sedentárias podem melhorar a sua saúde, aptidão e bem-estar, tornando-se moderadamente activas;
  • A actividade física reduz o risco de mortalidade e morbilidade;
  • A actividade física promove a saúde mental;
  • A actividade física conduz a estados de menor ansiedade e depressão;
  • A actividade física ajuda a controlar a dependência química e a diminuição de consumo de remédios;
  • A actividade física induz ao melhor desempenho nas actividades laborais, recreativas e desportivas;
  • A actividade física promove momentos recreativos e de socialização.

 

“MORRER JOVEM O MAIS TARDE POSSÍVEL!”

Artigo do professor Pedro Vasconcelos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: